voluntário virtual médicos sem fronteiras clique e acesse! Vamos ajudar!

Inclusão Social


INCLUSÃO SOCIAL

INCLUIR É UMA ATO DE AMOR! 

 É INCLUIR É SUPERAR DIFERENÇAS E COMPARTILHAR IDEIAS!



"Há duas formas para viver a sua vida: uma é acreditar que não existe milagre. A outra é acreditar que todas as coisas são um milagres." Fernando Pessoa




Inclusão Social

Olhe ao seu redor e veja se encontra alguém igualzinho a você, que seja parecido com você, que goste das mesmas coisas e tenha a mesma opinião. É bem provável que não encontre ninguém assim e é justamente isso que faz as pessoas serem interessantes, ou seja, o fato de sermos diferentes e podermos acrescentar novas ideias, diferentes opiniões e novos aprendizados!

Quando levamos em consideração essas diferenças, respeitamos o ponto de vista do outro e acolhemos as pessoas como elas são, estamos colocando em prática uma palavra muito simples, mas com significado importante e abrangente: a inclusão.


Diferentes tipos de inclusão

No mundo existem várias culturas, vários modos de viver. Mesmo se pensarmos apenas em nosso país, encontraremos muita diversidade. Quando convivemos com pessoas de diferentes culturas levando em consideração o que cada uma tem de melhor e respeitando suas manifestações, estamos praticando a inclusão étnica.

Como seres humanos, todos temos diversos potenciais que quando explorados podem trazer benefícios a todos. Quando percebemos e estimulamos o desenvolvimento desses potenciais em uma pessoa ou grupo, independente de sua classe social estamos praticando um tipo de inclusão bem ampla, que é a inclusão social.

Mas existe um tipo de inclusão que talvez seja um pouco mais difícil de colocar em prática, por isso precisa ser mais discutida, que é a inclusão dos deficientes. Se traçarmos uma cronologia sobre a história das pessoas com qualquer tipo de deficiência, veremos que já houve muito progresso, mas também há muito a ser feito, principalmente para que as leis que já existem sejam realmente cumpridas e mais do que isso, que sejam ampliadas, garantindo plena possibilidade de atuação e inserção na sociedade.




Fonte: site www.smartkids.com.br




O QUE É INCLUSÃO SOCIAL?

Inclusão social é um conjunto de meios e ações que combatem a exclusão aos benefícios da vida em sociedade, provocada pela falta de classe social, origem geográfica, educaçãoidade, existência de deficiência ou preconceitos raciais. Inclusão Social é oferecer aos mais necessitados oportunidades de acesso a bens e serviços, dentro de um sistema que beneficie a todos e não apenas aos mais favorecidos no sistema meritocrático em que vivemos.

O QUE É INCLUSÃO ESCOLAR?



Para a educadora, na escola inclusiva professores e alunos aprendem uma lição que a vida dificilmente ensina: respeitar as diferenças. Esse é o primeiro passo para construir uma sociedade mais justa.


 Meire Cavalcanti.

"Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças"
Maria Teresa Edlér Mantoan


Assista o vídeo de Maurício de Souza sobre a Inclusão Social

video


ESCOLA E INCLUSÃO


A escola é o local que deve servir como exemplo para a prática da inclusão. É fundamental que a comunidade escolar possa refletir com frequência sobre esse tema, fazendo um “exercício” e treinando o “olhar” para o outro, considerando que uma deficiência, por exemplo, é apenas mais uma característica entre outras tantas que sabemos que nossos alunos têm. Nosso exercício também tem de ser no sentido de servir como exemplo de respeito a todos os alunos da sala, sabendo distinguir suas capacidades e procurando encontrar formas adequadas para transmitir o conhecimento e avaliar o aproveitamento de cada aluno dentro de suas possibilidades.





"DEFICIENTES" OU EFICIENTES?
Pense nisso!




















/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


AUTISMO





Assista o vídeo da Turma da Mônica sobre o Autismo!


video


DEFINIÇÃO

Embora inúmeras pesquisas ainda venham sendo desenvolvidas para definirmos o que seja o autismo, desde a primeira descrição feita por Kanner em 1943 existe um consenso em torno do entendimento de que o que caracteriza o autismo são aspectos observáveis que indicam déficits na comunicação e na interação social, além de comportamentos repetitivos e áreas restritas de interesse. Essas características estão presentes antes dos 3 anos de idade, e atingem 0,6% da população, sendo quatro vezes mais comuns em meninos do que em meninas.
A noção de espectro do autismo foi descrita por Lorna Wing em 1988, e sugere que as características do autismo variam de acordo com o desenvolvimento cognitivo; assim, em um extremo temos os quadros de autismo associados à deficiência intelectual grave, sem o desenvolvimento da linguagem, com padrões repetitivos simples e bem marcados de comportamento e déficit importante na interação social, e no extremo oposto, quadros de autismo, chamados de Síndrome de Asperger, sem deficiência intelectual, sem atraso significativo na linguagem, com interação social peculiar e bizarra, e sem movimentos repetitivos tão evidentes.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do autismo é clínico, feito através de observação direta do comportamento e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. Os sintomas costumam estar presentes antes dos 3 anos de idade, sendo possível fazer o diagnóstico por volta dos 18 meses de idade.

Ainda não há marcadores biológicos e exames específicos para autismo, mas alguns exames, tais como cariótipo (com pesquisa de X frágil, EEG, RNM e erros inatos do metabolismo), teste do pezinho, sorologias para sífilis, rubéola e toxoplasmose, audiometria e testes neuropsicológicos são necessários para investigar causas e outras doenças associadas.

O quadro clínico do autismo, segundo o DSM IV TR (APA, 2002) é: Prejuízo da habilidade social: não compartilham interesses, não desenvolvem empatia e demonstram uma certa inadequação em abordar e responder aos interesses, emoções e sentimentos alheios;


Prejuízo no uso de comportamentos não-verbais como: contato visual direto, expressão facial, postura corporal e com objetos;


Dificuldades na interação social: fracasso em vincular-se a uma pessoa específica, não diferenciação de indivíduos importantes em sua vida, falta de comportamento de apego;


Alterações na linguagem: atraso na linguagem falada. Nos que desenvolvem a linguagem adequadamente, dificuldade em iniciar ou manter uma conversa, uso estereotipado e repetitivo de certas palavras ou frases e emprego da terceira pessoa (inversão pronominal) para falar de suas vontades. Os que aprendem a ler não apresentam compreensão do que leem;


Alterações de comportamento: padrões restritos de interesse, manipulação sem criatividade dos objetos, ausência de atividade exploratória, preocupação com as partes de objetos, inabilidade para participar de jogos de imitação social espontâneos, adesão a rotinas rígidas, presença de maneirismos motores e crises de raiva ou pânico com mudanças de ambiente; mudanças súbitas de humor, com risos ou choros imotivados, hipo ou hiper-responsividade aos estímulos sensoriais e agressividade sem razão aparente. Comportamentos auto-agressivos, como bater a cabeça, morder-se, arranhar-se e arrancar os cabelos podem ocorrer.


Uma proposta de alteração dos critérios do DSM V está online e sugere que para se diagnosticar autismo, estejam presentes as seguintes características: 


Déficits na comunicação social e na interação social: déficit na comunicação não verbal e verbal utilizada para a interação social, falta de reciprocidade social, incapacidade de desenvolver e manter relacionamentos com seus pares apropriados ao seu nível de desenvolvimento.


Padrões restritos e repetitivos de comportamento: estereotipias ou comportamentos verbais estereotipados ou comportamento sensorial incomum, aderência a rotinas e padrões de comportamentos ritualizados, interesses restritos.
Os sintomas devem estar presentes na primeira infância, mas podem não se manifestar plenamente, até que as demandas sociais ultrapassem as capacidades limitadas.
Referências bibliográficas:
American Psychiatric Association (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM IV TR. Tradução de Cláudia Dornelles. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002..http://www.dsm5.org/ProposedRevision/Pages/proposedrevision.aspx?rid=94

TRATAMENTO
O tratamento do autismo envolve intervenções psicoeducacionais, orientação familiar, desenvolvimento da linguagem e/ou comunicação. O recomendado é que uma equipe multidisciplinar avalie e desenvolva um programa de intervenção orientado a satisfazer as necessidades particulares a cada indivíduo. Dentre alguns profissionais que podem ser necessários, podemos citar:psiquiatras,psicólogos,fonoaudiólogos,terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e educadores físicos. Os métodos de intervenção mais conhecidos e mais utilizados para promover o desenvolvimento da pessoa com autismo e que possuem comprovação científica de eficácia são:
TEACCHR (Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handcapped Children): é um programa estruturado que combina diferentes materiais visuais para organizar o ambiente físico através de rotinas e sistemas de trabalho, de forma a tornar o ambiente mais compreensível, esse método visa à independência e o aprendizado.
PECSR (Picture Exchange Communication System) é um método de comunicação alternativa através de troca  de figuras, é uma ferramenta valiosa tanto na vida das pessoas com autismo que não desenvolvem a linguagem falada quanto na vida daquelas que apresentam dificuldades ou limitações na fala.
ABA (Applied Behavior Analysis) ou seja, analise comportamental aplicada que se embasa na aplicação dos princípios fundamentais da teoria do aprendizado baseado no condicionamento operante e reforçadores para incrementar comportamentos socialmente significativos, reduzir comportamentos indesejáveis  e desenvolver habilidades. Há várias técnicas e estratégias de ensino e tratamento comportamentais associados a analise do compormentamento aplicada que tem se mostrado útil no contexto da intervenção incluindo (a) tentativas discretas, (b) análise de tarefas, (d) ensino incidental, (e) análise funcional
Medicações: O uso medicamento deve ser prescrito pelo médico, e é indicado quando existe alguma comorbidade neurológica e/ou psiquiátrica e quando os sintomas interferem no cotidiano. Mas vale ressaltar que até o momento  não existe uma medicação específica para o tratamento de autismo. É importante o médico informar sobre o que se espera da medicação, qual o prazo esperado para que se perceba os efeitos, bem como os possíveis efeitos colaterais.
Letícia Calmon Drummond Amorim - Psiquiatra
Fonte: AMA - Associação de Amigos do Autista




















Com Jean Itard, que em 1801 levou a cabo uma descrição da criança selvagem, passando Eugen Bleuler, que em 1901 o relacionou com a esquizofrenia, até Leo Kanner, que realizou em 1943 o detalhamento minucioso dos itens característicos, e Hans Asperger, que se centrou em um outro tipo de autismo, às vezes chamado de autismo inteligente; os traços característicos das crianças com autismo são em sua grande maioria os mesmos.

QUAIS SÃO SEUS SINTOMAS?

Os principais sintomas são:

- Isolamento do mundo exterior e recusa do contato com os outros. (Tanto no nível da voz quanto no do olhar).
- Alterações da linguagem que podem ir desde uma ausência total da fala até uma verbiagem ininteligível. Em algumas ocasiões, repetição de fragmentos de frases retiradas de filmes ou que foram escutadas de alguém, estabelecendo verdadeiros solilóquios.
- É uma fala que não se dirige a ninguém, que não é usada nem para comunicar nem para estabelecer um diálogo mínimo.
- Ausência de interação com os outros.
- Ausência de jogo simbólico.
- Estereotipias
- Rituais
- Temor das mudanças e insistência em manter uma imobilidade naquilo que o rodeia.




Assista o vídeo da Mônica sobre o Autismo

 QUAIS SÃO SUAS CAUSAS?

Na atualidade, as áreas de investigação científica sobre as causas do autismo são fisiológicas. Existem várias hipóteses sobre essas investigações em curso. As principais são: Afecção em áreas do cérebro, disfunções genéticas, consequências dos metais pesados no interior do organismo, intolerâncias alimentares assintomáticas.
Entretanto, não há, até o momento, nenhuma causa determinante nem conclusiva que se derive do conjunto dessas investigações científicas, ainda que muitos recursos se destinem a buscar uma causa genética ou fisiológica. Quer dizer,nenhuma investigação científica pode, até agora, estabelecer a etiologia do autismo.
O posicionamento da psicanálise lacaniana é claro nesse sentido: a pergunta pela causa não explica em quê consiste ser um sujeito com autismo. Tampouco consideramos que os sintomas do autismo sejam a consequência de um déficit que deva ser reeducado, nem a expressão de uma doença. Para a psicanálise lacaniana, a pergunta fundamental visa saber um pouco mais sobre o que implica ser uma pessoa com autismo.



SÍNDROME DE ASPERGER E COMORBIDADES

Várias condições são mais comuns entre indivíduos com Síndrome de Asperger.Essas condições são chamadas comorbidades.

depressão
Síndrome de Asperger (SA), é uma das cinco condições encontradas no espectro do autismo é um transtorno do desenvolvimento que afeta principalmente a comunicação social . Há certas co-morbidades que são encontrados com bastante freqüência em indivíduos com Síndrome de Asperger. Essas condições não devem estar presentes a fim de receber um diagnóstico de Síndrome de Asperger, mas um ou mais de um geralmente é encontrada ao lado do diagnóstico como comorbidade.
Transtorno de Processamento sensorial (TPS)
Embora não seja oficialmente uma categoria de diagnóstico no Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM), o transtorno de processamento sensorial é difundido entre todos os indivíduos do espectro do autismo, incluindo aqueles com síndrome de Asperger. Indivíduos com SA são geralmente mais responsivo aos estímulos sensoriais; ruídos altos, roupa áspera e texturas incomuns servem como fontes de irritação entre aqueles com SA.
Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)
Segundo um artigo publicado em Medscape, um estudo de crianças com Síndrome de Asperger mostrou que 62,5% dos participantes também apresentaram sintomas clínicos que indicam déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).
Ansiedade
A ansiedade é muito comum entre os indivíduos com Síndrome de Asperger. De acordo com Tony Attwood, “Nós sabemos que mais pessoas com transtorno do espectro autista (TEA, por exemplo, síndrome de Asperger, autismo) experimentam ansiedade e depressão mais do que as pessoas que não têm TEA.” A ansiedade pode assumir a forma de transtorno obsessivo-compulsivo, medos específicos e fobias de ansiedades generalizadas.
Depressão
De acordo com um estudo SMHAI, aproximadamente 1 em cada 15 indivíduos com Síndrome de Asperger também satisfazer os critérios diagnósticos para depressão. Não se sabe exatamente o que causa a depressão, mas é provável que seja uma combinação entre a percepção do indivíduo de sua diferença de seus pares e do ostracismo que ocorre a partir destes pares. Bullying é um problema extremamente comum entre os indivíduos com SA, o que o bullying pode muito provavelmente conduzirá a um aumento da taxa de depressão entre a população.
Dispraxia
Às vezes chamado de distúrbio no planejamento motor, dispraxia é visto na grande maioria dos indivíduos com Síndrome de Asperger. Na verdade, falta de destreza motora é tão comum que um modelo de diagnóstico para a Síndrome de Asperger, Gillberg critérios para Transtorno de Asperger, inclui a falta de destreza motora como um sintoma que deve estar presente para que um indivíduo receba um diagnóstico de SA.
 Síndrome de Tourette
Apesar de não ser visto como comumente como sintomas de TDAH e ansiedade, não é raro ver indivíduos com síndrome de Tourette, assim como a Síndrome de Asperger. Síndrome de Tourette é caracterizada por tiques vocais repetitivos e motor.
Estas seis condições existentes no público em geral e na ausência de síndrome de Asperger. No entanto, a taxa de diagnóstico entre os indivíduos com SA é anormalmente elevada quando comparada com aqueles que não estão no espectro. Com o tempo, os cientistas esperam entender melhor a relação entre essas condições.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

"DEFICIÊNCIA" INTELECTUAL


O QUE É

A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento AAIDD, caracteriza-se por um funcionamento intelectual inferior à média (QI), associado a limitações adaptativas em pelo menos duas áreas de habilidades (comunicação, autocuidado, vida no lar, adaptação social, saúde e segurança, uso de recursos da comunidade, determinação, funções acadêmicas, lazer e trabalho), que ocorrem antes dos 18 anos de idade.

No dia a dia, isso significa que a pessoa com Deficiência Intelectual tem dificuldade para aprender, entender e realizar atividades comuns para as outras pessoas. Muitas vezes, essa pessoa se comporta como se tivesse menos idade do que realmente tem.





A Deficiência Intelectual é resultado, quase sempre, de uma alteração no desempenho cerebral, provocada por fatores genéticos, distúrbios na gestação, problemas no parto ou na vida após o nascimento. Um dos maiores desafios enfrentados pelos pesquisadores da área é que em grande parte dos casos estudados essa alteração não tem uma causa conhecida ou identificada. Muitas vezes não se chega a estabelecer claramente a origem da deficiência.

Principais causas
Os fatores de risco e causas que podem levar à Deficiência Intelectual podem ocorrer em três fases: pré-natais, perinatais  e pós-natais.


Pré-natais
Fatores que incidem desde o momento da concepção do bebê até o início do trabalho de parto:
Fatores genéticos
• Alterações cromossômicas (numéricas ou estruturais) -  provocam Síndrome de Down, entre outras.
• Alterações gênicas (erros inatos do metabolismo): que provocam Fenilcetonúria, entre outras.
Fatores que afetam o complexo materno-fetal
• Tabagismo, alcoolismo, consumo de drogas, efeitos colaterais de medicamentos teratogênicos (capazes de provocar danos nos embriões e fetos).
• Doenças maternas crônicas ou gestacionais (como diabetes mellitus).
• Doenças infecciosas na mãe, que podem comprometer o feto: sífilis, rubéola, toxoplasmose.
• Desnutrição materna.
Perinatais
Fatores que incidem do início do trabalho de parto até o 30.º dia de vida do bebê:
• Hipóxia ou anoxia (oxigenação cerebral insuficiente).
• Prematuridade e baixo peso: Pequeno para Idade Gestacional (PIG).
• Icterícia grave do recém-nascido (kernicterus).



Pós-natais
Fatores que incidem do 30.º dia de vida do bebê até o final da adolescência:
• Desnutrição, desidratação grave, carência de estimulação global.
• Infecções: meningites, sarampo.
• Intoxicações exógenas: envenenamentos provocados por remédios, inseticidas, produtos químicos como chumbo, mercúrio etc.
• Acidentes: trânsito, afogamento, choque elétrico, asfixia, quedas etc.

Principais tipos de Deficiência Intelectual

Entre os inúmeros fatores que podem causar a deficiência intelectual, destacam-se alterações cromossômicas e gênicas, desordens do desenvolvimento embrionário ou outros distúrbios estruturais e funcionais que reduzem a capacidade do cérebro.
• Síndrome de Down – alteração genética que ocorre na formação do bebê, no início da gravidez. O grau de deficiência intelectual provocado pela síndrome é variável, e o coeficiente de inteligência (QI) pode variar e chegar a valores inferiores a 40. A linguagem fica mais comprometida, mas a visão é relativamente preservada. As interações sociais podem se desenvolver bem, no entanto podem aparecer distúrbios como hiperatividade, depressão, entre outros.
 Síndrome do X-Frágil – alteração genética que provoca atraso mental. A criança apresenta face alongada, orelhas grandes ou salientes, além de comprometimento ocular e comportamento social atípico, principalmente timidez.
• Síndrome de Prader-Willi – o quadro clínico varia de paciente a paciente, conforme a idade. No período neonatal, a criança apresenta severa hipotonia muscular, baixo peso e pequena estatura. Em geral a pessoa apresenta problemas de aprendizagem e dificuldade para pensamentos e conceitos abstratos.
• Síndrome de Angelman – distúrbio neurológico que causa deficiência intelectual, comprometimento ou ausência de fala, epilepsia, atraso psicomotor, andar desequilibrado, com as pernas afastadas e esticadas, sono entrecortado e difícil, alterações no comportamento, entre outras.
• Síndrome Williams – alteração genética que causa deficiência intelectual de leve a moderada. A pessoa apresenta comprometimento maior da capacidade visual e espacial em contraste com um bom desenvolvimento da linguagem oral e na música.




• Erros Inatos de Metabolismo (Fenilcetonúria, Hipotireoidismo congênito etc.) – alterações metabólicas, em geral enzimáticas, que normalmente não apresentam sinais nem sintomas sugestivos de doenças. São detectados pelo Teste do Pezinho, e quando tratados adequadamente, podem prevenir o aparecimento de deficiência intelectual. Alguns achados clínicos ou laboratoriais que sugerem esse tipo de distúrbio metabólico: falha de crescimento adequado, doenças recorrentes e inexplicáveis, convulsões, atoxia, perda de habilidade psicomotora, hipotonia, sonolência anormal ou coma, anormalidade ocular, sexual, de pelos e cabelos, surdez inexplicada, acidose láctea e/ou metabólica, distúrbios de colesterol, entre outros.


Deficiência Intelectual x Doença Mental
Muita gente confunde Deficiência Intelectual e doença mental, mas é importante esclarecer que são duas coisas bem diferentes.
Na Deficiência Intelectual a pessoa apresenta um atraso no seu desenvolvimento, dificuldades para aprender e realizar tarefas do dia a dia e interagir com o meio em que vive. Ou seja, existe um comprometimento cognitivo, que acontece antes dos 18 anos, e que prejudica suas habilidades adaptativas.


Já a doença mental engloba uma série de condições que causam alteração de humor e comportamento e podem afetar o desempenho da pessoa na sociedade. Essas alterações acontecem na mente da pessoa e causam uma alteração na sua percepção da realidade. Em resumo, é uma doença psiquiátrica, que deve ser tratada por um psiquiatra, com uso de medicamentos específicos para cada situação.


Primeira professora com Down no Brasil é destaque no programa ‘Fantástico’




Débora Seabra é a primeira professora com síndrome de Down do Brasil. Crédito: reprodução/TV Globo
O programa “Fantástico” exibiu no último domingo (14/07) uma reportagem sobre Débora Seabra, primeira professora do Brasil com síndrome de Down. No vídeo, Débora e sua família falam sobre as diversas barreiras quebradas ao longo da vida da educadora, hoje com 32 anos. Clique aqui para conferir a matéria na íntegra.
O quadrinista, escritor e jornalista Henfil foi o primeiro a acreditar que Débora poderia ter uma vida normal. Padrinho da menina, ele incentivou a estimulação precoce desde seus primeiros meses de vida – o que atualmente é recomendado para favorecer o desenvolvimento de todos os bebês com síndrome de Down.
Débora cresceu estudando em uma escola regular e gostou tanto da experiência em sala de aula que acabou se tornando professora. Segundo a reportagem, é adorada por pais e alunos da escola na qual trabalha. “Faz com que as crianças enxerguem essa diferença de maneira natural”, afirma Laísa Palhano, mãe de uma aluna.
E quem pensa que a potiguar realizou todos os seus sonhos está muito enganado. Débora anda bastante ocupada em seu novo projeto, um livro sobre fábulas inclusivas. A publicação conta com apresentação elogiosa do escritor João Ubaldo Ribeiro, da Academia Brasileira de Letras, e já está na gráfica. “A gente não pode desistir dos nossos sonhos, né?”, ensina Débora.










////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


"DEFICIÊNCIA" FÍSICA (?)



Segundo o site wikipedia é a alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções (Decreto nº 5.296/04, art. 5º, §1º, I, "a", c/c Decreto nº 3.298/99, art. 4º, I).



Nick Vujicic

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nick Vujicic
Nascimento4 de dezembro de 1982 (31 anos)
Melbourne,
 Austrália
NacionalidadeAustraliana
OcupaçãoPalestrante motivacional
Nicholas James Vujicic (Melbourne4 de dezembro de 1982) é um evangelista e palestrante motivacional e diretor da Life Without Limbs. Nascido sem pernas e braços devido a rara síndrome Tetra-amelia, Vujicic viveu uma vida de dificuldades e privações ao longo de sua infância. No entanto, ele conseguiu superar essas dificuldades e, aos dezessete anos, iniciou sua própria organização sem fins lucrativos chamada Life Without Limbs (em portuguêsVida sem Membros). Depois da escola, Vujicic frequentou a faculdade e se formou com uma bidiplomação. Deste ponto em diante, ele começou suas viagens como um palestrante motivacional e sua vida atraiu mais e mais a cobertura da mídia de massa. Atualmente, ele dá palestras regularmente sobre vários assuntos tais como a deficiência, aesperança e o sentido da vida.




Nick se formou na universidade com 21 anos de idade com uma bidiplomação em Contabilidade e Planejamento Financeiro. Ele começou suas viagens como um palestrante motivacional, enfocando os temas que os adolescentes de hoje enfrentam. Ele fala também no setor corporativo, embora seu objetivo seja se tornar um palestrante internacional de inspiração, com cristãos e não cristãos locais. Ele viaja regularmente para outros países para falar às congregações cristãs, escolas e reuniões empresariais. Ele já fez palestras para mais de três milhões de pessoas até agora, em mais de 24 países nos cinco continentes (África, Ásia, Austrália,América do Sul e América do Norte).
Vujicic promove o seu trabalho através de programas de televisão como o The Oprah Winfrey Show, bem como por escrito. Seu primeiro livro é intitulado Life Without Limits: Inspiration for a Ridiculously Good Life (em portuguêsVida Sem Limites: Inspiração para uma vida Ridiculamente Boa) (Random House, 2010).

Seu DVD motivacional, um grande objetivo de vida, está disponível no site Life Without Limbs. A maior parte do DVD foi filmado em 2005, com um breve documentário sobre sua vida em casa e como ele faz as coisas sem seus membros. A segunda parte do DVD foi filmada em sua igreja local, em BrisbaneAustrália, e foi um dos seus primeiros discursos motivacionais profissionais. Um DVD para os jovens é intitulado: No Arms, No Legs, No Worries: Youth Version. Seus discursos motivacionais podem ser vistos no Premiere Speakers Bureau Website. Vujicic atualmente vive na CalifórniaEstados Unidos.
Vujicic deu sua primeira entrevista de televisão para todo o mundo, apresentada na ABC, com Bob Cummings, em 28 de março de 2008. Ele apareceu no curta metragem "Butterfly Circus".


Nick, sua esposa Kanae Miyahada e seu filho Kiyoshi James Vujicic.


Para melhor entendimento, seguem-se algumas definições:

  • Amputação - perda total ou parcial de um determinado membro ou segmento de membro;
  • Paraplegia - perda total das funções motoras dos membros inferiores;
  • Paraparesia - perda parcial das funções motoras dos membros inferiores;
  • Monoplegia - perda total das funções motoras de um só membro (inferior ou superior);
  • Monoparesia - perda parcial das funções motoras de um só membro (inferior ou superior);
  • Tetraplegia - perda total das funções motoras dos membros inferiores e superiores;
  • Tetraparesia - perda parcial das funções motoras dos membros inferiores e superiores;
  • Triplegia - perda total das funções motoras em três membros;
  • Triparesia - perda parcial das funções motoras em três membros;
  • Hemiplegia - perda total das funções motoras de um hemisfério do corpo (direito ou esquerdo);
  • Hemiparesia - perda parcial das funções motoras de um hemisfério do corpo (direito ou esquerdo);
  • Ostomia - intervenção cirúrgica que cria um ostoma (abertura, ostio) na parede abdominal para adaptação de bolsa de fezes e/ou urina; processo cirúrgico que visa à construção de um caminho alternativo e novo na eliminação de fezes e urina para o exterior do corpo humano (colostomia: ostoma intestinal; urostomia: desvio urinário);
  • Paralisia Cerebral - lesão de uma ou mais áreas do sistema nervoso central, tendo como conseqüência alterações psicomotoras, podendo ou não causar deficiência mental;
  • Nanismo - deficiência acentuada no crescimento. É importante ter em mente que o conceito de deficiência inclui a in capacidade relativa, parcial ou total, para o desempenho da atividade dentro do padrão considerado normal para o ser humano. Esclarecemos que a pessoa com deficiência pode desenvolver atividades laborais desde que tenha condições e apoios adequados às suas características.

SERÁ?



Daniel Dias é dono de cinco recordes mundiais na natação


Apresentação de Ballet
Surfista 

Skate radical

Atleta ciclista

Natação


Terezinha é a deficiente visual campeã e mais rápida do mundo nos 100m, 200m e 400m


Stephen Hawking

(O maior gênio da ciência vivo)


Stephen William Hawking (Oxford8 de janeiro de 1942) é um físico teórico e cosmólogo britânico e um dos mais consagrados cientistas da atualidade. Doutor em cosmologia, foi professor lucasiano de matemática na Universidade de Cambridge , onde hoje encontra-se como professor lucasiano emérito, um posto que foi ocupado por Isaac NewtonPaul Dirac e Charles Babbage. Atualmente, é diretor de pesquisa do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica (DAMTP) e fundador do Centro de Cosmologia Teórica (CTC) da Universidade de Cambridge.



Os principais campos de pesquisa de Hawking são cosmologia teórica e gravidade quântica. Em 1971, em colaboração com Roger Penrose, provou o primeiro de muitos teoremas de singularidade; tais teoremas fornecem um conjunto de condições suficientes para a existência de uma singularidade no espaço-tempo. Este trabalho demonstra que, longe de serem curiosidades matemáticas que aparecem apenas em casos especiais, singularidades são uma característica genérica da relatividade geral.
Hawking também sugeriu que, após o Big Bangprimordiais ou miniburacos negros foram formados. Com Bardeen e Carter, ele propôs as quatro leis da mecânica de buraco negro, fazendo uma analogia com termodinâmica. Em 1974 calculou que buracos negros deveriam, termicamente, criar ou emitir partículas subatômicas, conhecidas comoradiação Hawking, além disso, também demonstrou a possível existência de miniburacos negros. Hawking também participou dos primeiros desenvolvimentos da teoria da inflação cósmica no início da década 80 com outros físicos como Alan GuthAndrei Linde e Paul Steinhardt, teoria que tinha como proposta a solução dos principais problemas do modelo padrão do Big Bang.
asteróide 7672 Hawking é assim chamado em sua homenagem.

LIVROS

Prêmios, títulos e medalhas
Fonte:
http://portal.mte.gov.br/fisca_trab/deficiencia-fisica.htm
http//www.wikipedia.com.br

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

DEFICIÊNCIA VISUAL

O que é deficiência visual?




A deficiência visual é definida como a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, da visão. O nível de acuidade visual pode variar, o que determina dois grupos de deficiência:
Cegueira - há perda total da visão ou pouquíssima capacidade de enxergar, o que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braille como meio de leitura e escrita.



Baixa visão ou visão subnornal - caracteriza-se pelo comprometimento do funcionamento visual dos olhos, mesmo após tratamento ou correção. As pessoas com baixa visão podem ler textos impressos ampliados ou com uso de recursos óticos especiais.



Superação

Desfile de modas com deficientes visuais 

Atleta brasileiro conquistando medalha de ouro 
Atleta brasileira medalhista

Seleção brasileira de Sete - tri-campeã paraolímpica

Nadadora brasileira paraolímpica e medalhista


Stevie Wonders
Stevie Wonder nasceu em SaginawMichigan em 1950; sendo o terceiro dos seis filhos de Calvin Judkins e Lula Mae Hardaway. Devido ao nascimento prematuro, em seis semanas os vasos sanguíneos da parte de trás de seus olhos ainda não tinham chegado na parte frontal e seu crescimento abortado causou o descolamento das retinas. O termo médico para esta condição é retinopatia da prematuridade, e ela pode ter sido agravada pelo oxigênio bombeado para sua incubadora, mas não foi a principal causa de cegueira.
Quando Stevie Wonder tinha quatro anos começou a tocar instrumentos muito cedo, incluindo piano, gaita, bateria e baixo. Durante sua infância foi ativo em um coral de igreja.

video
Música: I just called to say i love you

IMPACTO

O sucesso de Stevie como músico socialmente consciente influenciou a música popular norte-americana. Alguns músicos e figuras públicas que citam Wonder como ídolo e influência são: Michael JacksonDavid ArchuletaStevie Ray VaughanIndia.ArieBarack ObamaBlackstreetBruno MarsGloria EstefanMusiq Soulchild,George MichaelCyndi LauperThe NeptunesLuciano PavarottiTupac ShakurIvete SangaloWill SmithCoolioSnoop DoggKirk FranklinMary J. BligeMariah CareyBabyfaceKelisDonnell JonesJermaine JacksonJanet JacksonLuther VandrossN'SyncGlenn LewisDru HillJustin BieberBoyz II MenAlicia KeysEric HutchinsonCarrie UnderwoodElton JohnJohn LegendPrinceAnthony Kiedis (líder do Red Hot Chili Peppers), StingBeyoncé KnowlesAaliyahBrandyJustin TimberlakeAshantiShogo HamadaJason Kay (líder do Jamiroquai), Utada HikaruKen HiraiWhitney HoustonWang LeehomLenny KravitzGlenn Hughes,Erykah BaduMaroon 5 e Steve Perry.
Wonder fez participações especiais em inúmeras gravações de outros artistas, incluindo Carly SimonBusta RhymesQuincy JonesStingThe Pointer SistersBurt BacharachBarbra StreisandAndrea BocelliJeff BeckSnoop DoggElton JohnLenny KravitzBilly PrestonJames TaylorRoberta FlackSmokey RobinsonPaul McCartneyBeyoncé KnowlesTony BennettFrank SinatraQueen LatifahThe SupremesBabyfaceThe Beach BoysChaka KhanHerbie HancockLuther VandrossThe TemptationsGloria EstefanAndrae CrouchMichael JacksonJermaine JacksonJohn DenverBeBe WinansJulio IglesiasDon HenleyTake 6,The Flying Burrito BrothersRod StewartThe Gap Band'NSYNCThe Manhattan TransferDonna SummerEurythmicsCyndi LauperB.B. KingSergio Mendes,Jon Gibson ("Have a Talk With God"), Paula AbdulWhitney Houston e Djavan.
As cantoras Deniece WilliamsCarl Anderson e Angela Winbush começaram suas carreiras nos anos 70 e fizeram vocais de apoio para Wonder como parte do "Wonderlove". 

PRÊMIOS E RECONHECIMENTO

Grammy Awards

Wonder recebeu 25 Grammy Awards incluindo o prêmios "Lifetime Achievement Award"
'AnoPrêmioTítulo
1973Melhor Canção Rhythm & Blues"Superstition"
1973Melhor Performance Vocal R&B, Masculina"Superstition"
1973Melhor Performance Vocal Pop, Masculina"You are the Sunshine of My Life"
1973Álbum do AnoInnervisions
1973Melhor Produtor*Innervisions
1974Melhor Canção Rhythm & Blues"Living for the City"
1974Melhor Performance Vocal R&B, Masculina"Boogie On Reggae Woman"
1974Melhor Performance Vocal Pop, MasculinaFulfillingness' First Finale
1974Álbum do AnoFulfillingness' First Finale
1974Melhor Produtor*Fulfillingness' First Finale
1976Melhor Performance Vocal R&B, Masculina"I Wish"
1976Melhor Performance Vocal Pop, MasculinaSongs in the Key of Life31
1976Produtor do Anor, Não-Clássico*N/A
1976Álbum do AnoSongs in the Key of Life
1985Melhor Performance Vocal R&B, MasculinaIn Square Circle
1986Melhor Performance R&B por Duo ou Grupo com Vocais]
(premiados: Dionne WarwickElton JohnGladys Knight e Wonder)
"That's What Friends Are For"
1995Melhor Canção Rhythm & Blues"For Your Love"
1995Melhor Performance Vocal R&B, Masculina"For Your Love"
1996Grammy Lifetime Achievement AwardGeral
1998Melhor Arranjo Instrumental Com Acompanhamento Vocal
(premiados: Herbie HancockRobert Sadin e Wonder)
"St. Louis Blues"
1998Melhor Performance Vocal R&B, Masculina"St. Louis Blues"
2002Melhor Performance R&B por Duo ou Grupo com Vocais
(premiados: Wonder e Take 6)
"Love's in Need of Love Today"
2005Melhor Performance Vocal Pop, Masculina"From the Bottom of My Heart"
2005Melhor Performance R&B por Duo ou Grupo com Vocais
(premiados: Beyoncé e Wonder)
"So Amazing"
2006Melhor Colaboração Pop com Vocais (premiados: Tony Bennett e Wonder)"For Once In My Life"

Reconhecimentos

  • 2009 Library of Congress Gershwin Prize
  • 2008 Hall of Fame Award
  • 2006 Lifetime Achievement Freedom Award
  • 2006 National Artistic Achievement Award
  • 2005 Lifetime Achievement Award (city Detroit)
  • 2004 Billboard Century Award
  • 2002 'Songwriters’ Hall of Fame
  • 1999 MusiCares Person of the Year
  • 1998 United in Recovery's Ambassador of Peace Award
  • 1996 NARAS Lifetime Achievement Award
  • 1989 Incluído en el Rock 'N Roll Hall Of Fame
  • 1985 Oscar - Best Original Song (o filme The Woman In Red)
  • 1985 NARM Artist of the Decade
  • 1984 ASCAP Founders Award
  • 1974 NARM Presidential Award
  • 1969 US Distinguished Service Award
  • 1973-2006 Grammys 25

Ray Charles

Nome completoRay Charles Robinson
Nascimento23 de Setembro de 1930
AlbanyGeórgiaEstados Unidos
Data de morte10 de junho de 2004 (73 anos)
Beverly HillsCalifórniaEstados Unidos
Gênero(s)Rhythm and bluessoulblues,jazzcountrypop
Instrumento(s)Vocalpianotecladosax alto
Gravadora(s)Atlantic Records, ABC, Warner Bros. Records
Afiliação(ões)The Raelettes, Quincy Jones, Betty Carter, USA for Africa
Página oficialraycharles.com
Ray Charles (Albany23 de Setembro de 1930 – Los Angeles10 de Junho de 2004) foi um pianista, pioneiro e cantor de música soul que ajudou a definir o seu formato ainda no fim dos anos 50, além de um inovador intérprete de R&B.
Seu nome de batismo, Ray Charles Robinson, foi encurtado para Ray Charles quando entrou na indústria do entretenimento para evitar confusão com o famoso boxeador Sugar Ray Robinson. Considerado um dos maiores gênios da música negra americana, Ray Charles também foi um dos responsáveis pela introdução de ritmo gospelnas músicas de R&B.
Foi eleito pela Rolling Stone o 2º maior cantor de todos os tempos e 10º maior artista da música de todos os tempos.

video
Música: Hit the road Jack

Singles notáveis

Singles que atingiram o Top 10 da lista Hot 100 da revista Billboard:

AnoTítuloMaior posição atingida
1958"What'd I Say"6
1960"Georgia On My Mind"1
1961"Hit The Road Jack"1
1961"One Mint Julep"2
1962"Unchain My Heart"9
1962"I Can't Stop Loving You"1
1962"You Don't Know Me"2
1962"You Are My Sunshine"7
1963"Busted"4
1963"Take These Chains from My Heart"8
1966"Crying Time"6



José Feliciano

José Montserrate Feliciano García (LaresPorto Rico10 de setembro de 1945) é um cantor e violonista porto-riquenho radicado nos Estados Unidos continental.
Jose Feliciano nasceu cego, em uma família pobre, com mais onze irmãos. Aprendeu sozinho a tocar acordeão, e aos nove já tocava no "The Puerto Rican Theater", no BronxNova Iorque, para onde sua família havia emigrado quando ele tinha cinco anos. Sempre autodidata, passou a praticar o violão, tendo como professor apenas alguns discos. Ganhou vários premios e homenagens. Feliciano é considerado como o primeiro músico latino a penetrar no mercado de música de língua inglesa, abrindo caminho para outros após ele.
Já na adolescência, começou a tocar para ajudar a família. O primeiro salto na carreira profissional ocorreu em um festival em Mar del PlataArgentina, onde foi visto por um executivo da RCA, que o incentivou a gravar um disco com músicas hispânicas, dando origem aos singles Poquita Fe e Usted1 . Sua fama alastrou-se com o lançamento de " Light My Fire " ( Doors Music Co. ASCAP 1 de junho de 1968 ).

Prêmios e homenagens

José Feliciano, ao longo de sua carreira, recebeu 45 discos de ouro e platina; foi indicado 16 vezes para o Grammy, recebendo o prêmio em seis ocasiões, a mais recente delas em fevereiro de 2009, pelo álbum"Senor Bachata" . Em 1996, uma escola pública do Harlem foi renomeada "The Jose Feliciano Performing Arts School" pela prefeitura de Nova Iorque e, em 2001, Feliciano recebeu o "Doutorado em Letras Humanas" pela Universidade Sagrado Coração, em Fairfield, Connecticut.
video

Música: I wanna be were you are



Conheça a história de superação do tenor Andrea Bocelli.

Andrea Bocelli nasceu na cidade de Lajatico (Itália) em 1958. Filho de Alessandro e Edi Bocelli, Andrea cresceu na fazenda da família, a cerca de 40 km da cidade de Pisa. Desde que nasceu, o pequeno Bocelli possuia evidentes problemas de perda de visão e após vários estudos clínicos Andrea foi diagnosticado com glaucoma. Quando tinha doze anos, enquanto jogava futebol, foi atingido na cabeça, e perdeu definitivamente a visão.

Durante a infância, Andrea se apaixonou pela música e sua mãe, Edi, costumava dizer que a música era a única coisa que o consolova após a perda completa da visão. Aos sei anos de idade, iniciou suas aulas de piano e depois as de flauta, saxofone, trompete, harpa, violão e bateria. Na infância, Andrea tocava órgão na igreja que se situava próxima à casa, onde ia todos os domingos com a avó. Aos doze anos de idade venceu o prêmio Margherita d’Oro, em Viareggio, com a canção “O Sole Mio”, constituindo a primeira vitória numa competição musical.

Após a conclusão do seu ensino médio, em 1980, Bocelli foi para a Universidade de Pisa, onde mais tarde foi graduado em Direito. Depois de trabalhar por um ano como advogado, Andrea teve aulas de canto do maestro Luciano Bettarini, dedicando-se à música em tempo integral.
Bocelli nunca parou o treinamento vocal, atendendo “master classes” com o renomado tenor Franco Corelli, em Turin.

Em 1992, o astro do rock italiano Zucchero Fornaciari testou Andrea enquanto procurava por tenores para fazer um dueto com ele na canção “Miserere”; quando ouviu a gravação, o tenor Luciano Pavarotti implorou a Zucchero para usar Andrea em vez dele mesmo. Enfim, a música foi gravada com Pavarotti, mas Andrea Bocelli acompanhou Zucchero na gira européia.

Em 1994, Andrea apresentou-se no Festival de San Remo (Festival da canção italiana), ganhando o evento com a canção “Il mare calmo della sera”, o que levou ao primeiro disco de ouro. No mesmo ano, estreou na ópera Macbeth, de Giuseppe Verdi, com o papel de Macduff, cantou no concerto beneficente de Pavarotti em Modena e apresentou-se para o Papa João Paulo II no Natal. Em 1995, sua canção “Con te partirò” ficou em primeiro lugar no Festival de San Remo.
Bocelli tem dois filhos: Amos (nascido em 1995) e Matteo (nascido em 1997). Foi casado, mas está separado da única mulher, Enrica.

O ídolo de infância era Eusébio da Silva Ferreira, jogador de futebol português. Quando Andrea Bocelli se tornou famoso, foi Eusébio que o quis conhecer: as posições trocaram-se. Em 1996, cantou com a soprano inglesa Sarah Brightman uma versão em dueto de “Con te partirò”, intitulada “Time to Say Goodbye” (“Hora de Dizer Adeus”), que bateu recordes de vendas e ficou no topo das dez canções mais tocadas no mundo por quase seis meses. Nos anos seguintes, Andrea apresentou-se em Paris, Bologna, Torre del Lago e Vaticano. Lançou mais álbuns até a sua entrada no mercado americano, com um concerto no “John F. Kennedy Center for the Performing Arts” em Washington D.C. e uma recepção na Casa Branca. Naquele ano e em 1999, Andrea partiu em turnê (excursão) pela América do Norte e América do Sul e fez duetos com Céline Dion, além de apresentar-se na primeira ópera totalmente transmitida ao vivo pela Internet da “Detroit Opera House” (“Ópera de Detroit”), com Denyce Graves.

Gravou em 1998 com a cantora brasileira Sandy Leah Lima a canção “Vivo por ela”, música que foi muito executada nas rádios do Brasil. Em 2002, Andrea repetiu a turnê (excursão) pela América, ganhando dois “World Music Awards”. Desde então, Andrea continuou a carreira com aparições em concertos no mundo inteiro, cantando inclusive durante o All-Star Weekend da NBA de 2006 em Houston, Texas. Cantou “Because We Believe” (“Porque Nós Acreditamos”), do seu álbum Amore (lançado em 2006), na cerimônia de encerramento das Jogos Olímpicos de Inverno de 2006 em Turim, Itália.

Em 2006, Bocelli trabalhou com os seis finalistas do programa de televisão American Idol, ajudando-os a cantar as canções escolhidas segundo o tema da semana: “classic love songs” (músicas românticas clássicas).


video
Música: Con te partiró

Alfabeto Braille

É um sistema de leitura com o tato para cegos inventado pelo francês Louis Braille no ano de 1827 em Paris

 



//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Definição de Deficiência Auditiva, de acordo com o Decreto 5.296/2004


Deficiência Auditiva: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz. A deficiência auditiva, trivialmente conhecida como surdez, consiste na perda parcial ou total da capacidade de ouvir, que apresente um problema auditivo.

Surdez
Segundo dados do IBGE, existiam no Brasil 5.750.809 pessoas com problemas relacionados à surdez - 519.560 com idade até 17 anos e 276.884 entre 18 e 24 anos. Dados do MEC mostram que, em 2003, 56.024 alunos surdos freqüentavam o ensino fundamental; 2.041, o médio. Somente 3,6% do total de surdos matriculados conseguiu concluir a educação básica, o que comprova a exclusão escolar provocada pelas barreiras na comunicação entre alunos surdos e professores.

O direito à comunicação é um direito essencial do ser humano, mas foram anos de luta para que os surdos tivessem seu direito reconhecido, lhes sendo garantido o direito à acessibilidade às informações, cuja língua deve ser ensinada e utilizada em todos os meios de comunicação.

A língua brasileira de sinais - LIBRAS permite ao surdo sua integração social e participar como cidadão. É preciso mais que ter uma língua, ter um país que a reconhece como direito essencial.

Para a inclusão dos surdos e a efetivação do direito à informação é imprescindível o reconhecimento do profissional de intérprete de libras, que é quem efetua a comunicação entre surdo e ouvinte; surdo e surdo; surdo-cego e surdo; ouvinte e surdo-cego, devendo o mesmo ter domínio da língua de sinais; conhecimento das implicações da surdez no desenvolvimento do indivíduo surdo; conhecimento da comunidade surda e convivência com ela.
O intérprete é um profissional bilingue, habilitado na interpretação da língua oral, da língua de sinais, da língua escrita para a língua de sinais e da língua de sinais para a língua oral.

TIPOS DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA


• DEFICIÊNCIA AUDITIVA CONDUTIVA: Qualquer interferência na transmissão do som desde o conduto auditivo externo até a orelha interna (cóclea). A orelha interna tem capacidade de funcionamento normal mas não é estimulada pela vibração sonora. Esta estimulação poderá ocorrer com o aumento da intensidade do estímulo sonoro. A grande maioria das deficiências auditivas condutivas pode ser corrigida através de tratamento clínico ou cirúrgico.

• DEFICIÊNCIA AUDITIVA SENSÓRIO-NEURAL: Ocorre quando há uma impossibilidade de recepção do som por lesão das células ciliadas da cóclea ou do nervo auditivo. Os limiares por condução óssea e por condução aérea, alterados, são aproximadamente iguais. A diferenciação entre as lesões das células ciliadas da cóclea e do nervo auditivo só pode ser feita através de métodos especiais de avaliação auditiva. Este tipo de deficiência auditiva é irreversível.
• DEFICIÊNCIA AUDITIVA MISTA: Ocorre quando há uma alteração na condução do som até o órgão terminal sensorial associada à lesão do órgão sensorial ou do nervo auditivo. O audiograma mostra geralmente limiares de condução óssea abaixo dos níveis normais, embora com comprometimento menos intenso do que nos limiares de condução aérea.
• DEFICIÊNCIA AUDITIVA CENTRAL, DISFUNÇÃO AUDITIVA CENTRAL OU SURDEZ CENTRAL: Este tipo de deficiência auditiva não é, necessariamente, acompanhado de diminuição da sensitividade auditiva, mas manifesta-se por diferentes graus de dificuldade na compreensão das informações sonoras. Decorre de alterações nos mecanismos de processamento da informação sonora no tronco cerebral (Sistema Nervos o Central).

GRAUS DE SEVERIDADE DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA


Os níveis de limiares utilizados para caracterizar os graus de severidade da deficiência auditiva podem ter algumas variações entre os diferentes autores. Segundo critério de Davis e Silverman, 1966:

• Audição Normal - Limiares entre 0 a 24 dB nível de audição.
• Deficiência Auditiva Leve - Limiares entre 25 a 40 dB nível de audição.
• Deficiência Auditiva Moderna - Limiares entre 41 e 70 dB nível de audição.
• Deficiência Auditiva Severa - Limiares entre 71 e 90 dB nível de audição.
• Deficiência Auditiva Profunda - Limiares acima de 90 dB.

Indivíduos com níveis de perda auditiva leve, moderada e severa são mais freqüentemente chamados de deficientes auditivos, enquanto os indivíduos com níveis de perda auditiva profunda são chamados surdos.

CAUSAS DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA CONDUTIVA 

• Cerume ou corpos estranhos do conduto auditivo externo.
• Otite externa: infecção bacteriana da pele do conduto auditivo externo.
• Otite média: processo infeccioso e/ou inflamatório da orelha média, que divide-se em: otite média secretora; otite média aguda; otite média crônica supurada e otite média crônica colesteatomatosa.
• Estenose ou atresia do conduto auditivo externo (redução de calibre ou ausência do conduto auditivo externo). Atresia é geralmente uma malformação congênita e a estenose pode ser congênita ou ocorrer por trauma, agressão cirúrgica ou infecções graves.
• Miringite Bolhosa (termo miringite refere-se a inflamação da membrana timpânica). Acúmulo de fluido entre as camadas da membrana timpânica, em geral associado a infecções das vias respiratórias superiores.
• Perfurações da membrana timpânica: podem ocorrer por traumas externos, variações bruscas da pressão atmosférica ou otite média crônica supurada. A perda auditiva decorre de alterações da vibração da membrana timpânica. É variável de acordo com a extensão e localização da perfuração.
• Obstrução da tuba auditiva
• Fissuras Palatinas
• Otosclerose

CAUSAS DA DEFICIÊNCIA AUDITIVA SENSÓRIO-NEURAL

• Causas pré-natais:
• de origem hereditárias (surdez herdada monogênica, que pode ser uma surdez isolada da orelha interna por mecanismo recessivo ou dominante ou uma síndrome com surdez); e uma surdez associada a aberrações cromossômicas.
• de origem não hereditárias (causas exógenas), que podem ser: Infecções maternas por rubéola, citomegalovírus, sífilis, herpes, toxoplasmose. Drogas ototóxicas e outras, alcoolismo materno
Irradiações, por exemplo Raios X. Toxemia, diabetes e outras doenças maternais graves
• Causas perinatais
• Prematuridade e/ou baixo peso ao nascimento

• Trauma de Parto - Fator traumático / Fator anóxico
• Doença hemolítica do recém-nascido ( ictericia grave do r ecém-nascido)
• Causas pós-natais
• Infecções - meningite, encefalite, parotidite epidêmica (caxumba), sarampo
• Drogas ototóxicas
• Perda auditiva induzida por ruído (PAIR)
• Traumas físicos que afetam o osso temporal

DADOS ESTATÍSTICOS 

• Estima-se que 42 milhões de pessoas acima de 3 anos de idade são portadoras de algum tipo de deficiência auditiva, de moderada a profunda (OMS). Há expectativa que o número de perdas auditivas na população mundial chegue a 57 milhões no ano 2000.
• Aproximadamente 0,1% das crianças nascem com deficiência auditiva severa e profunda (Northern e Downs, 1991). Este tipo de deficiência auditiva é suficientemente severa para impedir a aquisição normal da linguagem através do sentido da audição
• Mais de 4% das crianças consideradas de alto risco são diagnosticadas como portadoras de deficiência auditiva de graus moderado a profundo (ASHA)1
• Aproximadamente 90% das crianças portadoras de deficiência auditiva de graus severo e profundo são filhos de pais ouvintes (Northern e Downs, 1991)2
• Nos Estados Unidos pesquisas indicam que a prevalência de deficiências auditivas sensorioneurais é de 5,95 para cada 1000 nascidos vivos e nas deficiências auditivas por alterações do ouvido médio é de 20 para cada 1000 nascidos vivos
• Segundo a O.M.S. (1994)3 estima-se que 1,5% da população brasileira, ou seja, cerca de 2.250.000 habitantes são portadores de deficiência auditiva, estando esta em terceiro lugar entre todas as deficiências do país
• Aproximadamente 1.053.000 de crianças abaixo de 18 anos têm algum grau de deficiência auditiva, com índice de prevalência de 16,1 por 1000 (Bess e Humes 1995)

FATORES DE RISCO


Alguns fatores que podem causar deficiência auditiva são:

• Antecedentes familiares de deficiência auditiva, levantando-se se há consangüinidade entre os pais e/ou hereditariedade.
• Infecções congênitas suspeitadas ou confirmadas através de exame sorológico e/ou clínico (toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes e sífilis)
• Peso no nascimento inferior a 1500g e/ou crianças pequenas para a idade gestacional (PIG)
• Asfixia severa no nascimento, com Apgar entre 0-4 no primeiro minuto e 0-6 no quinto minuto.
• Hiperbilirrubinemia com índices que indiquem exanguíneo transfusão.
• Ventilação mecânica por mais de dez dias
• Alterações crânio-faciais, incluindo as síndromes que tenham como uma de suas características a deficiência auditiva.
• Me ningite, principalmente a bacteriana.
• Uso de drogas ototóxicas por mais de cinco dias.
• Permanência em incubadora por mais de sete dias.
• Alcoolismo ou uso de drogas pelos pais, antes e durante a gestação.

IDENTIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO


O diagnóstico das deficiências de audição é realizado a partir da avaliação médica e audiológica. Em geral a primeira suspeita quanto à existência de uma alteração auditiva em crianças muito pequenas é feita pela própria família a partir da observação da ausência de reações a sons, comportamento diferente do usual (a criança que é muito quieta, dorme muito e em qualquer ambiente, não se assusta com sons intensos) e, um pouco mais velha, não desenvolve linguagem. A busca pelo diagnóstico também poderá ser originada a partir dos programas de prevenção das deficiências auditivas na infância como o registro de fatores de risco e triagens auditivas.

O profissional de saúde procurado em primeiro lugar é geralmente o pediatra, o qual encaminhará a criança ao otorrinolaringologista, quando se iniciar á o diagnóstico. Este profissional fará um histórico do caso, observará o comportamento auditivo e procederá o exame físico das estruturas do ouvido, nariz e das diferentes partes da faringe. O passo seguinte é o encaminhamento para a avaliação audiológica.

No caso de adultos, em geral a queixa de alteração auditiva é do próprio indivíduo, e, no caso de trabalhadores expostos a situações de risco para audição o encaminhamento poderá advir de programas de conservação de audição.


LUDWIG VAN BEETHOVEN


Considerado como o maior e o mais influente compositor da música clássica universal, Ludwing Van Beethoven  nasceu em 17 de dezembro de 1770 na cidade alemã de Bonn. Filho de um músico inculto, veio melhorar sua posição social e formação musical quando mudou-se para Viena, em 1792. Ele não era superdotado. Sua evolução foi gradativa. Ali na capital da Áustria, ele obteve grandes sucessos como pianista e compositor, generosamente apoiado por membros da aristocracia austríaca, que em 1809 deram-lhe pensão vitalícia.

Aos 28 anos, já consagrado compositor e intérprete, começou a sentir problemas de audição, diagnosticados mais tarde como uma doença degenerativa. Nesse período, pensou em cometer suicídio. Passada essa fase depressiva, afirmou: “Foi a música quem me salvou”. A surdez não o impediu de que produzisse obras, nem ele passou a vida lutando contra a doença. 

Sensível, nunca perdeu o seu amor e entusiasmo pela vida e pela música. Ele impressionou seus contemporâneos por dominar a arte da música e pelas manifestações duras de independência pessoal. Uma das grandes decepções de Beethoven foi o fato de Napoleão Bonaparte ter se autocoroado imperador, tomando-a das mãos do Papa Pio VII em Notre Dame. Como era um entusiasta dos ideais da 

Revolução Francesa, dedicou sua Sinfonia n.º 3 a Napoleão, de quem era grande admirador. Diante deste fato, sentindo-se traído e decepcionado, riscou a dedicatória da partitura. Disse ainda: “Se soubesse tanto de estratégia como de música, causaria sérios dissabores a Napoleão”.

A primeira fase de sua produção artística traduz certo frescor juvenil, estilo galante, interrompidas às vezes por alguns acessos de melancolia. A segunda fase é classificada como “maturidade” e a terceira como “Últimas obras”. Essas são de grande profundidade artística.

Na Sinfonia n.º 6, Beethoven retrata a vida campestre, fazendo com que a orquestra reproduza os sons de pássaros, relâmpago, chuva e trovões. Esses recursos seriam adotados, mais tarde, pelos precursores do Romantismo, no século XIX, como uma forma de exaltar o amor à pátria.

Na Sinfonia n.º 9 (Coral), tema do filme “Laranja Mecânica”, do cineastra Stanley Kubrick, composta quando já estava totalmente surdo, Beethoven musicou o poema “Ode à Alegria”, do poeta alemão Johann Schiller, que impressiona por ser um verdadeiro hino de otimismo à vida.

Ele compôs cerca de 200 obras, que se caracterizam por serem românticas, subjetivas, abrindo espaço para os extremos: a tragicidade patética e o júbilo triunfal; o idílio e o humorismo burlesco; o idealismo eloquente e a mística profunda, elaboradas cuidadosamente e muito disciplinadas aos moldes do classicismo vienense.

Em 26 de março de 1827, falece mais um dos grandes gênios da música universal. Viena, diferentemente do que fizera a Mozart, reconhece a honra a Beethoven. Seu cortejo contou com mais de 200 mil pessoas que foram lhe prestar as últimas e devidas homenagens.

Fontes
MONTEZUMA, Marcos. Aprendendo a ouvir música clássica. Fortaleza, Expressão Gráfica e Editora LTDA, 2005, p. 93-5.
Enciclopédia Mirador Internacional


Trecho do filme Beethoven

video



Symphony n 9 "choral" regente Leonard Bernstein, Filarmônica de Viena

video

Fontes:
ASHA - American Speech and Hearing Association
Northern, J., Downs, m.p. (1991) Hearing in children (4th ed.) Baltimore Williams & Wilkins
OMS - Organização Mundial de Saúde
Bess, F. H. e Humes, L. E. (1995) Audiology: The Fundamentals. Baltimore Wi




Thomas Alva Edison – inventor


Nasceu em 11 de fevereiro de 1847, em Milan, estado de Ohio, Estados Unidos da América. Faleceu em 18 de outubro de 193l, em West Orange. Pertencia a uma família de classe média. Seu pai, Samuel Edison, era canadense, descendente de holandeses, marceneiro e carpinteiro de profissão, vendia de tudo, além de imóveis. A mãe, Nancy Eliot Edison, havia sido professora e teve sete crianças. Desde pequeno, Thomas Edison interessou-se em estudar física e química. É considerado o inventor da lâmpada elétrica, além do gramofone, do cinescópio, do microfone para uso em telefone e outras. Registrou 2.332 patentes, sendo amplamente considerado o maior inventor de todos os tempos. 

Sua doença:

Há relatos históricos de que Thomas começou a perceber algo errado com seus ouvidos quando trabalhava para uma companhia de trens na parte de cargas: estava atrasado para entrar no trem, quando foi puxado pelas orelhas por um companheiro de trabalho para dentro do vagão de cargas. Ele relatou assim esse episódio: “...eu senti alguma coisa estalar dentro da minha cabeça”...”a minha surdez começou nesse instante”...
O segundo incidente para seu problema de audição foi quando ainda na companhia de transporte ferroviário, obteve autorização superior para montar um laboratório num vagão de carga vazio. Ali, nas horas de folga, se ocupava a fazer experiências com produtos químicos, quando alguma coisa saiu errada e um incêndio começou. Novamente um funcionário, desta vez um chefe, correu para ajudá-lo a combater o fogo que queria consumir o vagão, ficando este muito irritado com Thomas, que narra este episódio assim: “... apanhei com tanta severidade que fiquei meio surdo depois desse incidente”. Com certeza o homem havia lhe dado tapas em seus ouvidos.

Demais atribuições das causas de sua surdez, são de ordem científica. Um de seus médicos propôs que a surdez foi causada por “doença degenerativa congênita”, quando ainda era criança, desencadeada por um trauma de infância. Thomas teve muitas infecções de ouvido que na época não foram corretamente tratadas. Sabe-se que numa delas, houve retenção de fluídos no ouvido médio. Teve também, artrite e escarlatina. Esta, talvez, a mais provável causa de sua surdez. Certa vez Thomaz disse: “...não ouço o canto de um pássaro desde que tinha treze anos”.


video

Não me desencorajo, porque cada tentativa errada descartada é outro passo à frente" - Thomas Alva Edison
"Não há substituto para o trabalho duro" - Thomas Alva Edison
"Se nós fizéssemos tudo o que somos capazes, literalmente, nos surpreenderíamos” - Thomas Alva Edison
"Eu não falhei, encontrei dez mil soluções que não davam certo” - Thomas Alva Edison
“Muitos dos fracassos desta vida estão concentrados nas pessoas que desistiram por não saberem que estavam muito perto da linha de chegada” - Thomas Alva Edison


língua brasileira de sinais (LIBRAS) é a língua de sinais (língua gestual) usada pela maioria dos surdos dos centros urbanos brasileiros e reconhecida pela Lei.





Como auxiliar alguém com deficiência auditiva

· Fale claramente, de frente para a pessoa, tomando cuidado para deixar visível sua boca.
· Não grite, fale em tom de voz e velocidade normais, exceto se lhe pedirem para levantar a voz ou falar mais devagar.
· Fale com expressão. Estas pessoas não podem ouvir as mudanças sutis do tom da voz indicando sarcasmo ou seriedade. Mas elas saberão ler suas expressões faciais, gestos ou movimentos do seu corpo.
· Ao conversar, toque levemente seu braço para a pessoa perceber que você quer falar-lhe. Mantenha o contato visual. Do contrário, a pessoa pensará que a conversa acabou.
· Se você não entender o que um surdo quer lhe dizer, peça para que ele repita. Se mesmo assim você não o entender, peça para que ele escreva o que deseja.
· Se um surdo estiver acompanhado de intérprete, fale diretamente ao surdo, nunca ao intérprete.
· Utilize linguagem de sinais, avisos visuais e, se for exibir um filme, opte por filmes legendados ou providencie um resumo do filme.
· Não cruze ou ande entre duas pessoas conversando em linguagem de sinais, isto atrapalha ou impede a conversa.

Dicionário de Libras acesse, basta clicar!
http://www.dicionariolibras.com.br/website/artigo.asp?id=1038



////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

TRABALHO, DIREITO DE TODOS!

Lei de Cotas (Lei 8.213/1991) regula a contratação de pessoas com deficiência




Ela prevê que toda empresa com 100 ou mais funcionários deve destinar de 2% a 5 (dependendo do total de empregados) dos postos de trabalho a pessoas com alguma deficiência. O desafio da empregabilidade para quem possui alguma deficiência, é faze com que os empresários acreditem em sua capacidade produtiva.




Se todas as empresas do país cumprissem a Lei de Cotas, mais de 1.000.000 de pessoas com deficiência estariam empregadas. "Hoje nós já temos avanços em relação a capacitação destes profissionais. o governo federal está disponibilizando 150 mil vagas do PRONATEC (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) para qualificação de pessoas com deficiência, justamente para que elas possam acessar as vagas que a Lei de Cotas.

“O Ministério do Trabalho, está fazendo uma grande campanha de sensibilização para os empresários. Não tratando só na questão de aplicar multa, mas também de conscientizar e de capacitar o empresariado”. A empresa que desrespeitar a Lei de Cotas e negar oportunidade de trabalho às pessoas com deficiência poderá pagar multa de R$ 1.617,12 a R$ 161.710,08.
Lei de Cotas
Lei de Cotas, define que todas as empresas privadas com mais de 100 funcionários devem preencher entre 2 e 5% de suas vagas com trabalhadores que tenham algum tipo de deficiência. As empresas que possuem de 100 a 200 funcionários devem reservar, obrigatoriamente, 2% de suas vagas para pessoas com deficiência; entre 201 e 500 funcionários, 3%; entre 501 e 1000 funcionários, 4%; empresas com mais de 1001 funcionários, 5% das suas vagas. 
A baixa escolaridade e a falta de qualificação profissional são apontadas como as principais causas da não contratação de pessoas com deficiência, além da adaptação necessária na estrutura física das organizações, para que os espaços possam ser adequados ao trabalho e ao deslocamento dos profissionais.
De acordo com o art. 2º da Lei 10.098/2000, acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. 

 Representante do Brasil na ONU, dando palestra na ONU sobre a Síndrome de Down





Fonte: 
Agência Brasil
Ministério do Trabalho e Emprego

DEFICIÊNCIA: VERDADES E MITOS


A luta por uma sociedade inclusiva passa pela derrubada de mitos, preconceitos e inverdades que ainda permeiam a questão da deficiência

Verdades
  • Deficiência não é doença;
  • Algumas crianças portadoras de deficiências podem necessitar escolas especiais;
  • As adaptações são recursos necessários para facilitar a integração dos educandos com necessidades especiais nas escolas;
  • Síndromes de origem genética não são contagiosas;
  • Deficiente mental não é louco.
Mitos
  • Todo surdo é mudo;
  • Todo cego tem tendência à música;
  • Deficiência é sempre fruto de herança familiar;
  • Existem remédios milagrosos que curam as deficiências;
  • As pessoas com necessidades especiais são eternas crianças;
  • Todo deficiente mental é dependente.


O que é possível fazer para prevenir a ocorrência de deficiências

Antes de engravidar:
  • Vacine-se contra a rubéola. Na gravidez ela afeta o bebê em formação, causando malformações, como cegueira, deficiência auditiva, etc).
  • Procure um serviço de aconselhamento genético (principalmente quando houver casos de deficiência ou casamentos consanguíneos na família).
  • Faça exames para detectar doenças e verificar seu tipo sanguíneo e a presença do fator RH.
Durante a gravidez:
  • Consulte um médico obstetra mensalmente.
  • Faça exames de controle
  • Só tome os remédios que o médico lhe receitar.
  • Faça controle de pressão alta, diabetes e infecções.
  • Faça uma alimentação saudável e balanceada.
  • Não se exponha ao raio X ou outros tipos de radiação.
  • Evite o cigarro e as bebidas alcoólicas.
  • Evite contato com portadores de doenças infecciosas.
Depois do nascimento:
  • Exija que sejam feitos testes preventivos em seu bebê, como o APGAR por exemplo.
  • Tenha cuidados adequados com o bebê, proporcionando amparo afetivo e ambiente propício para seu desenvolvimento.

O QUE É O TESTE DE APGAR?


Esse teste, desenvolvido pela Dra. Virginia Apgar, uma anestesiologista que o desenvolveu em 1952, pode predizer melhor a sobrevivência de um bebê do que o novo teste de alta tecnologia feito no sangue do cordão umbilical.

O Apgar se baseia em observações feitas no primeiro minuto de vida e é repetido aos 5 minutos. É preciso olhar a freqüência cardíaca, esforço respiratório, tônus muscular, reação motora e cor, que indica a quantidade de oxigênio que atinge a pele. Cada um recebe uma nota que varia de 0 a 2. Um total de 7 ou mais indica uma condição excelente. Um total de 3 ou menos indica problemas graves e alto risco de óbito.

Que exames médicos ajudam a detectar a ocorrência de deficiências?

No Estado de São Paulo, existem leis que tornam obrigatória a realização de exames para detectar a fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito, a credetização ( limpeza dos olhos ao nascimento ) e a vacinação (contra meningite, poliomielite e sarampo.

Em todo o Brasil, deve ser exijido do hospital o exame do pézinho, e o teste do APGAR .

O vírus da rubéola é outro dos responsáveis pelo surgimento de deficiências visuais e auditivas durante a formação dos bebês no útero materno. Por isso é importante que toda mulher entre 15 e 29 anos vacine-se.

Outros exames laboratoriais necessários para a mãe são os de urina e fezes, o da toxoplasmose e o da sífilis.

FONTES

A LEGISLAÇÃO QUE  TRATA DA INCLUSÃO

O Brasil aderiu a tratados internacionais que tratam da inclusão de deficientes e atualmente há ampla legislação a esse respeito em nosso país. 

(Obs: clicando em cima do sublinhado terá acesso ao site com a íntegra da lei.)

1. Constituição de 1988 (consultar o artigo 208)


Fontes:

http://www.aacd.org.br(Associação de Assistência À Criança Deficiente)
http://www.adeva.org.br (Associação de Deficientes Visuais e Amigos)
http://www.ahimsa.org.br (Associação Educacional para Múltiplas Deficiências)
http://www.ama.org.br (Associação de Amigos do Autista)
http://www.centroruibianchi.sp.gov.br (Biblioteca Virtual dos Direitos da Pessoa com Deficiência)
http://www.fundacaodorina.org.br (fundação Dorina Nowil para Cegos)
http://www.grupobrasil.org.br (Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente Sensorial)
http://www.ibc.gov.br (Instituto Benjamin Constant)
http://www.iris.org.br (Projeto Iris - Cão Guia)
http://www.libras.org.br (Portal de LIbras)
http://www.institutoparadigma.org.br (Instituto Paradigma Pessoas Incluindo Pessoas)
http://laramara.org.br (Associação Brasileira de Assistência À Pessoa com Deficiência Visual)
http://www.projetoacesso.org.br (Projeto Acesso - Mãos que veem)
http://www.radiolegal.org (Rádio Legal)
http://www.saci.org.br (Rede Saci)
http://www.sentidos.uol.com.br (Revista Sentidos)
http://www.rio.rj.gov.br/web/smpd (Secretaria do Município do Rio para Pessoa com Deficiência)
http://www.smartkids.com.br

Lei para os deficientes:Lei 7853/89
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7853.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário